Going Blonde

20140317-222821.jpg 20140317-222903.jpg 20140317-222851.jpg 20140317-222837.jpg

When I was really young my grandma told me my older cousin’s hair used to look just like mine – light brown with natural curls – but because she insisted on colouring it so often her hair was now all damaged. Younger me was terrified at the thought and so I vouched to never do anything to mine. I kept that promise until I was twenty-one. Two years before, I had started noticing some greys here and there. By the end of last year, however, I was having to try and pluck them out on a daily basis. That did it. Sad to be going back on my word (sorry grandma, I’m just getting old!) but knowing it was time, I finally had the courage to do something to my hair. Afraid of commitment, I started with something I thought wouldn’t scare me too much: ombré hair.

Ever since I saw a Leighton Meester photoshoot for Marie Claire (from 2010) I have wanted to copy her hairstyle. It was just this special kind of ombré, different to what I had been seeing everywhere, so I kept it in my Inspiration File for years. When I finally decided to be brave, I took this picture to my hairdresser and said I wanted mine to look exactly like that. In my clueless, hair-virgin state I had no idea this would be a day-long task, so I thought I could just get it done on Christmas Eve last year. My hairdresser told me it would be better to do it in two parts – first the normal ombré, dyeing my ends blonde, then the highlights and lowlights that made it stand out. And so a few months ago I went blond. Well, at least a little.

Since it was my first time I decided to wait a little longer to come back and finish it. I wanted to get used to the change and see if I really liked it. Initially it was a shock – I’m not even really blonde and I already felt like a whole new person. In a good way, mostly. Then there was the realisation that the colour washed me off a little so I would only feel really good with myself when sporting strong-coloured lips. And that my mostly pastel wardrobe wouldn’t suit my hair as much. I started wearing way more black. Three months later I am not as keen on it as I was back then.

Then you know how it goes – you get unhappy with your hair and decide some drastic change is in order. To me, that almost always means I convince myself I should just get my hair permanently straightened. That straight would make me look more elegant and polished. This time I was also convinced I should just go back to a darker colour. But every time I’m 99% sure I’ll go ahead and do it, my hair wakes up perfect the next day, as if trying to prove a point. These pictures were taken on Monday, after I spent the whole weekend set on a transformation. So I changed my mind again and went back to loving the curls and the colour… Until I get fed up with it again. I guess I’m just being a woman.

Any ideas for what I should do to my hair next?

* * *

Quando eu era pequena minha vó me disse que quando minha prima era da minha idade também tinha um cabelo igual ao meu – castanho claro encaracolado – mas, que de tanto tingir, o cabelo dela ficou todo estragado. Fiquei tão apavorada com a idéia que dei minha palavra de que nunca faria nada com o meu, e mantive essa promessa até os vinte e um. Dois anos antes, comecei a notar uns fios brancos aqui e ali, mas pelo final do ano passado já estava tendo que arrancá-los uma vez por dia. E foi aí que eu decidi.  Fiquei triste por quebrar minha promessa (desculpa vó, é que eu ‘tô ficando velha!), mas percebi que estava na hora e criei coragem pra mudar meu cabelo. Com medo de me comprometer a algo permanente, resolvi começar com alguma coisa que não fosse me assustar muito: fiz uma californiana.

Desde que eu vi uma foto da Leighton Meester num ensaio da Marie Claire (de 2010) fiquei querendo copiar o estilo. Era uma californiana mais bonita, diferente das que eu sempre via por aí, então guardei na minha Pasta de Inspirações por anos. E aí quando finalmente criei coragem de mudar resolvi levar a foto pro meu cabeleireiro fazer igual. Na minha inocência de cabelo virgem, não sabia que o processo tomaria o dia inteiro, então achei que daria tempo de fazer na véspera de Natal. Meu cabeleireiro disse que então seria melhor a gente fazer em duas partes – primeiro a californiana normal, pintando as pontas de loiro, e depois as luzes que iam deixar o estilo tão especial quanto o da foto. E foi assim que há alguns meses eu fiquei loira. Bom, pelo menos um pouco.

Como era a minha primeira vez fazendo algo do tipo, resolvi esperar pra voltar e terminar a segunda parte. Eu queria me acostumar com a cor primeiro e ver se eu gostava mesmo dela. No começo foi um choque – nem virei loira de verdade mas mesmo assim me sentia uma outra pessoa. Num bom sentido… na maioria das vezes. Mas aí percebi que a cor me deixava um pouco pálida e que só me sentia bem comigo mesma quando usava um batom bem forte. E que as minhas roupas, a maioria em cores claras, não iam tão bem com o novo cabelo. Passei a usar muito mais preto. Três meses depois eu já não gosto mais tanto dele como no começo.

Sabe como é, você cansa do seu cabelo e resolve que só uma mudança drástica vai melhorar. No meu caso, eu quase sempre me convenço de que tenho que fazer uma progressiva e alisar meu cabelo de vez. Que cabelo liso é mais arrumado e elegante. Desta vez eu também estava convencida de que precisava voltar pra uma cor mais escura. Só que toda vez que eu estou 99% certa de que vou mesmo mudar, meu cabelo resolve acordar perfeito no dia seguinte, só pra me confundir. Tirei essas fotos na segunda, depois de ter passado o final de semana inteiro com a certeza de que ia fazer algo diferente. Daí eu mudei de idéia e voltei a gostar dos cachos e da cor… Mas aposto que só atté meu cabelo me irritar de novo. Vai ver isso é coisa de mulher mesmo.

Alguém tem alguma idéia do que eu posso fazer com o meu cabelo da próxima vez?